Saturday, March 03, 2007

Utopia

Pela primeira e única vez o príncipe do paradoxo escreve com a raiva a queimar-lhe a alma. Aqui Chesterton critica e profetiza. É a pobreza física dos permanentemente pobres, é a pobreza moral e espiritual de uma classe média cada vez mais reduzida, é a responsabilidade dos muito ricos - os novos senhores, "reis que não prestaram juramento nem nos conduziram a nenhuma batalha". O capitalismo pode ser tão ateu, tão desalmado e tão perverso quanto o comunismo: mastiga as pessoas antes de as expelir. Ao dissociar "corpos" e "almas" o sistema esvazia o conteúdo autêntico da vida humana, transformando-a em mera rotina para o incremento da lucratividade do capital. Não é por acaso que este foi o único livro de Chesterton não publicado inicialmente em Inglaterra - ai daqueles que ousam condenar o supremo "casal" capitalismo/comunismo e propor uma alternativa superadora!

3 Comments:

At 03 March, 2007 05:45 , Blogger acja said...

Lerei em breve este livro e devo acrescentar que o seu comentário acerca do capitalismo, da sua ambiguidade com o comunismo e seus efeitos nefastos me impressionou pela clareza e verdade.

 
At 03 March, 2007 11:44 , Blogger Euro-Ultramarino said...

E não deixe de ler sobre a alternativa proposta por Chesterton e Hilaire Belloc, o Distributismo.
Abr.

 
At 06 March, 2007 12:09 , Blogger F. Santos said...

Uma recensão apetitosa.

 

Post a Comment

Subscribe to Post Comments [Atom]

<< Home