Monday, January 19, 2009

Edificante

Outro dia estive a dar uma olhadela numa bibliografia de história contemporânea portuguesa, realizada em meio académico. Relativamente ao período do Estado Novo lá estava, em variada e numerosa companhia, a monumental biografia salazariana de Franco Nogueira. Esta vinha acompanhada de uma advertência: o autor havia sido, por sete anos, ministro de Salazar... Também figuravam vários volumes do Prof. Fernando Rosas, entre muitos outros da mesma seara. Esfreguei bem os olhos - os anos não perdoam! - e voltei a espiar, não encontrando ali nenhum comentário adicional a orientar o leitor. Confesso que fiquei esclarecido: ter militado num partido comunista estaliniano, ter sido colaborador dedicado da Comissão do Livro Negro sobre o Regime Fascista, ser o historiador predilecto do regime engendrado pelo 25 do 4 do 74, ser fundador e deputado de um Bloco de Esquerda trotskysta, nada disso afecta, minimamente, a objectividade do juízo que o afamado investigador formula sobre o consulado de Salazar. A isso chama-se "neutralidade académica". Vai bem e recomenda-se.

1 Comments:

At 25 January, 2009 13:54 , Blogger filomeno2006 said...

Don Ricardo de la Cierva
Tuñón de Lara

 

Post a Comment

Subscribe to Post Comments [Atom]

<< Home