Sunday, December 10, 2006

Pinochet

General Augusto Pinochet Ugarte
25 Nov 1915 - 10 Dez 2006

Morreu hoje em Santiago do Chile um daqueles Homens que ousaram dizer um contundente não à investida do comunismo sem Deus e sem Pátria. E fê-lo com a determinação e a coragem que as Cruzadas impõem. Venceu a besta marxista e poupou ao povo chileno os horrores que a ideologia do ódio espalhou por meio mundo. Tomou um país arruinado e transformou-o na sociedade com o mais alto nível de vida da Iberoamérica. Daí a dupla raiva dos seus detractores. Pinochet tem de ser o "ditador" para que os seus contrários, como o açougueiro caribenho das barbas bolorentas, que matou centenas de milhar e fez do terceiro país mais rico do continente um vasto bairro de lata, possa ser chamado "presidente". Em 1975 Pinochet esteve presente nos funerais do Generalíssimo Franco, a prestar homenagem Àquele que havia sido o seu "Mestre". Hoje presto aqui a minha homenagem a este outro Mestre, autêntico Salvador do Chile. E lamento que quando a minha terra era traída, despedaçada e ensanguentada, não tenha surgido um Pinochet para salvá-la. Descanse em paz, meu General.

6 Comments:

At 10 December, 2006 15:55 , Anonymous çamorano said...

Amigo Euro- ultramarino: Pinochet quizá pueda ser definido como un "dictador", pero en el sentido del Derecho Público Romano, es decir, un Caudillo que tomaba las riendas de la República durante un periódo de tiempo para restaurar el orden y la prosperidad cuando la prevalencia del Senado llevaba a la anarquía y, después entregaba el poder para que predominase el Legislativo......Ab.

 
At 10 December, 2006 17:58 , Anonymous çamorano said...

Si bien el "todopoderoso" Dr. Henry Kissinger de 1973- 1974 parece ser que era Pro- Pinochet, me da la sensación que era Anti- Prof. Caetano y Anti- General Franco, para desgracia de los Hermanos Ibéricos......

 
At 10 December, 2006 21:51 , Blogger EURO-ULTRAMARINO said...

Caro Çamorano:
Tem inteira razão. A manipulação semântica faz com que o vocábulo "dictador" sirva o propósito de quem o usa - neste caso a esquerdalhada filha (e viúva) do marxismo que matou mais de cem milhões de pessoas. Razão tinham os romanos... Os EUA, sem bem acolheram com simpatia que se cortasse o passo ao comunismo no Chile, no caso de Portugal, dir-se-ia que folgaram com a débâcle de Portugal. O mesmo com Espanha.
Um abraço.

 
At 11 December, 2006 03:39 , Blogger acja said...

Que o General descançe em paz.
Junta-se ao Panteão dos grandes homens.

 
At 11 December, 2006 15:42 , Blogger a voz said...

Correcta análise de Çamorano.

Cumprimentos.

 
At 11 December, 2006 17:00 , Anonymous çamorano said...

Gracias a Euro- ultramarino y A voz. Un saludo.

 

Post a Comment

Subscribe to Post Comments [Atom]

<< Home